Debate da TV Arapuan fica marcado por muitas críticas entre candidatos e apresentações de poucas propostas; veja como foi

18 set 2020

O primeiro debate das eleições municipais de 2020, na noite desta quinta-feira (17), promovido pela TV Arapuan, reuniu nove pré-candidatos a prefeito de João Pessoa, integrantes de partidos com representação no Congresso Nacional, que foram oficializados nas últimas convenções municipais. O programa ficou marcado por muitas críticas entre eles, e também à gestão de Luciano Cartaxo (PV), ao governador João Azevêdo (Cidadania), ao pré-candidato Ricardo Coutinho (PSB) e pela pouca apresentação de propostas concretas para a cidade.

 

HABITAÇÃO

Edilma Freire no Debate da TV Arapuan (Repdorução)

A pré-candidata Edilma Freire, do Partido Verde (PV), ao responder questionamento do pré-candidato Cícero Lucena (Progressistas) sobre política habitacional, destacou a construção de em torno de 10 mil habitações na atual gestão de Luciano Cartaxo, que ela fez parte.

Cícero disse que todas as obras de habitação praticadas pelo governo Cartaxo, em João Pessoa, foram possíveis graças aos recursos financeiros assegurados por seu partido, o Progressistas.

Edilma Freire afirmou que a gestão de Luciano Cartaxo “revolucionou a habitação em João Pessoa”. Cícero reconheceu o esforço da pré-candidata, mas criticou a  “incompetência” do atual governo e ainda apontou erros nas áreas de saúde, educação e de mobilidade urbana.

MOBILIDADE

Cícero Lucena no Debate da TV Arapuan (Repdorução)

Na sequência, Cícero criticou o transporte público urbano da Capital, e questionou o pré-candidato do PSOL, Pablo Honorato, sobre os problemas de mobilidade urbana de João Pessoa. O socialista respondeu que o sistema apresenta muitos problemas e que deve ser repensado, principalmente, no atendimento à periferia da cidade. “É muito ruim. A população do Valentina passa 1h esperando ônibus chegar”, disparou.

Na tréplica, Cícero questionou porque o valor da passagem de ônibus em João Pessoa é um das mais caras no país, e propôs a volta de circulação do sistema de transporte ligeirinho, com ônibus com ar condicionado.

CONCURSO PÚBLICO

O tema concurso público foi o tema do confronto entre os pré-candidatos João Almeida (Solidariedade) e Carlos Monteiro (Rede).

Carlos Monteiro defendeu o investimento e a priorização do servidor público efetivo, nomeado por meio do concurso público, e condenou a prática de contratação de cargos comissionados.

João Almeida concordou, defendeu investimentos no setor, mas ressaltou que a cidade precisaria resolver outros problemas estruturais e de incentivo, a exemplo da cultura. “Temos que pensar João Pessoa de forma inteligente, a cidade precisa de mais”, afirmou.

CORRUPÇÃO

Em confronto, Ruy Carneiro e Wallber Virgolino debateram o tema corrupção e fizeram duras críticas à gestão do ex-governador Ricardo Coutinho, que é réu nos altos da operação Calvário. “Ele é responsável pelo maior escândalo na saúde da Paraíba com o desvio de  R$ 134 milhões de recursos da saúde”, disse o tucano.

Ruy e Wallber no Debate da TV Arapuan (Reprodução)

Ruy Carneiro lembrou ainda que o dinheiro desviado no Estado, apontado pela Operação Calvário, foi utilizado em dois processos eleitorais na Paraíba; “Hoje, as pessoas envolvidas na Calvário andam falando em construir hospitais, mas esquecem que por causa do dinheiro que roubaram da saúde, os pacientes estão sem leitos e sem medicamentos, e isso é um absurdo, temos que acabar com isso, está na hora de virar essa página na Paraíba”, disse.

Já Wallber Virgolino lembrou que foi o autor de pedido de instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) para apurar os “escândalos” e desvios de recursos públicos apontados na Operação Calvário, mas não conseguiu lograr êxito. “Na Assembleia tem candidatos envolvidos com a Calvário, mas infelizmente são beneficiados pela Justiça e continuam impunes”, lamentou.

NILVAN E PABLO

Ainda durante o debate, Pablo Honorato (PSOL) e Nilvan Ferreira (MDB) protagonizaram um capítulo à parte. O socialista criticou o emedebista pela atuação em programas televisivos, com foco policial, em João Pessoa. Segundo ele, o comunicador e a imprensa, de um modo geral, trata de forma pejorativa as comunidades carentes da cidade.

Pablo e Nilvan debatem na TV Arapuan (Reprodução)

Nilvan lembrou que sempre buscou levantar a bandeira dos bairros e comunidades que ficam na periferia da cidade. “Através de nossa atuação, enquanto profissional da imprensa, na TV e no Rádio, muitos problemas foram resolvidos na cidade”, disse, para complementar, em seguida: “A imprensa desenvolve um papel importantíssimo, fundamental, e graças à imprensa vigilante muita coisa nesse país começa a mudar”, destacou.

No último bloco, o pré-candidato do PSOL voltou a debater com Nilvan. Ele questionou o emedebista sobre as acusação, que seguem em segredo de justiça, relativas à suposta comercialização de produtos falsificados.

“Quando o poder não lhe sufoca, tenta desfazer sua honra. Eu tinha duas lojas com minhas filhas, mas quem ficou preso foi quem tentou fazer isso comigo. Depois recebi o depoimento de muitos empresários dizendo que passaram pela mesma situação”, respondeu Nilvan.

Na réplica, Honorato voltou a criticar a imprensa. Ele lembrou o assassinato de um professor de capoeira na periferia da cidade, e criticou a forma como a mídia abordou o fato. “Você [Nilvan], que foi injustamente acusado, não teria uma crítica a fazer dessa visão deturpada que é feita em relação aos nossos pobres e comunidade?”, provocou.

POLÍTICA ASSISTENCIAL

Anísio Maia no Debate da TV Arapuan (Reprodução)

Ainda durante o debate, o pré-candidato Anísio Maia (PT) cobrou do governo municipal o desenvolvimento de políticas públicas sociais. Segundo ele, a Prefeitura de João Pessoa recebeu recursos do Governo Federal para combater a fome e a pobreza apenas durante os governos do PT, nas gestões de Lula e Dilma Rousseff. “Naquela época haviam vários programas sociais, mas com o fim do governo do PT a gestão municipal ficou paralisada, devido aos governos neoliberais que só se preocupam com os grandes empresários”, disse.

Carlos Monteiro no Debate da TV Arapuan (Reprodução)

O pré-candidato Carlos Monteiro defendeu que a população de João Pessoa está precisando de mais empregos e defendeu o enxugamento da máquina pública. “A gestão precisa investir no empreendedorismo, na educação e na saúde”, ponderou.

TECNOLOGIA

Na sequência, Ruy Carneiro (PSDB) e João Almeida debateram sobre ciência e tecnologia.

“A tecnologia não está presente em nada. No nono ano, 91% dos alunos saem sem saber matemática, 71% sem saber português, porque a criança e o jovem estão conectados e quando chega na escola tem o formato atrasado, isso dá evasão”, disse o pré-candidato tucano, que complementou: “João Pessoa está longe de ser uma cidade inteligente”.

João Almeida no Debate da TV Arapuan (Reprodução)

Já o pré-candidato do Solidariedade lembrou do programa Jampa Digital, da gestão Ricardo Coutinho, que tinha o objetivo de levar internet gratuita e de qualidade nas ruas de João Pessoa, e foi alvo de denúncias de fraude e desvio de recursos. “O passado passou, mas temos que pegar o que foi bom e maximizar e o que foi ruim não ter medo de pegar na ferida”, destacou apontando que a população não tem acesso à tecnologia.

BARREIRA DO CABO BRANCO

O pré-candidato Nilvan Ferreira e Raoni Mendes (Democratas) debateram sobre a degradação e as ações executadas pela gestão municipal para proteger a barreira do Cabo Branco.

Raoni e Nilvan no Debate da TV Arapuan (Reprodução)

Raoni Mendes destacou que, enquanto vereador em 2015, chegou a denunciar que a gestão Luciano Cartaxo arquivou projeto elaborado pela Fundação Joaquim Nabuco para a barreira do Cabo Branco. “Tem uma licitação de R$ 5 milhões para colocação de pedras no solapé da barreira e foi um desastre”, disse o candidato do DEM, que revelou ter projeto para a criação de um parque extremo oriental para a área.

Nilvan Ferreira defendeu investimentos para melhoria da barreira, e acusou o democrata de desconhecer o assunto. Raoni rebateu afirmando que“diferente dos que se consideram salvadores da pátria, eu conheço a área porque sou nascido, criado e vivo em João Pessoa”, disse.

 SAÚDE

No tema saúde, o pré-candidato Wallber Virgolino (Patriotas) prometeu investimento em atenção básica na área de saúde e ações preventivas; na disposição de equipamentos em comunidades carentes; e no desenvolvimento do plano ‘Saúde Inclusiva’. “Vamos fazer parcerias com hospitais privados e pagando a eles um voucher com o valor que o SUS paga para acabar com a fila dos exames, das cirurgias e os hospitais privados vão oferecer seus horários ociosos”, disse.

Raoni Mendes defendeu a reforma e aparelhamento, inclusive tecnológico, das Unidades Básicas de Saúde (UBS). “Existe a verba, mas não há qualidade, os cidadãos não podem continuar pagando impostos e na hora que precisam, ter que ficar pedindo favores a políticos”, disse.

Ainda sobre o tema, João Almeida defendeu que João Pessoa precisa se tornar uma cidade inteligente (smart city). “Para isso é fácil, barato e acessível e uma cidade inteligente é bom em todos os fatores, inclusive na saúde. O prontuário eletrônico tem que ser uma realidade. Se pegar 5% da verba Saúde, você consegue fazer um check-up em todos os usuários do SUS e isso, com certeza vai diminuir as filas”, explicou.

Ruy Carneiro afirmou que tem como meta a construção de um novo hospital, no modelo do Trauminha, para João Pessoa. “O que existe não tem como recuperar. O Conselho Regional de Medicina denunciou o uso de drogas, varal de rouba e outros absurdos lá. Nós vamos informatizar as Unidades Básicas de Saúde e fazer uma policlínica em cada um dos cinco distritos”, afirmou.

EMPREGO E RENDA

Em embate com Anísio Maia, o pré-candidato Wallber Virgolino destacou a necessidade de criação de parcerias entre poder público e iniciativa privada para a geração de emprego e renda. “Temos que tratar o empresário com aliado e não como inimigo”, disse.

Anísio Maia rebateu e disse que Wallber Virgolino tem atitudes ‘neoliberalistas’. “Ele defende o empresariado, esquecendo dos menos favorecidos”, disse.

O petista ainda afirmou que planeja o desenvolvimento de ações voltadas para os micro e pequenos empresários, com foco no empreendedorismo, com a expansão do programa Banco Cidadão com financiamento rápido e sem burocracia.

Ainda sobre o tema, o pré-candidato Pablo Honorato respondeu pergunta de João Almeidão sobre como sair da crise pós-pandemia. O socialista disse que a única forma é a geração de emprego e renda. “É necessária uma política para distribuição de renda, segurança alimentar, tirar pessoas da fome, confrontar o desemprego gerar uma política de crédito para o micro e pequenas empresas”, pontuou.

João Almeida defendeu a política de incentivo ao artesanato. Ele ainda criticou a falta de identidade da cidade de João Pessoa. “O aeroporto é de Bayeux, o nosso por do sol é do Jacaré [Cabedelo], o forró é de Campina Grande. E, nós [João Pessoa], não temos identidade”, disse.