Bem vindo ao Alhandra em Foco, 18 de Agosto de 2017
Facebook do Alhandra em Foco Twitter do Alhandra Alhandra em Foco no Youtube Instagram do Alhandra em Foco Zap do Alhandra
23 jul 2017 às 7:56 am

Janot denuncia políticos em atividade e cita Manuel Junior como integrante de “grupo de criminoso”

Em reportagem publicada neste sábado, a versão eletrônica do jornal Folha de São Paulo relata sobre um “grupo criminoso” que estaria em plena atividade.

Leia trechos.

Assim o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se referiu na denúncia oferecida contra o presidente Michel Temer (PMDB) e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures por corrupção passiva. É o “núcleo do PMDB na Câmara Federal”.

Segundo Janot, trata-se de um grupo “organizado, comandado e articulado por políticos (…), com o escopo de viabilizar enriquecimento ilícito daqueles e de grupos empresariais, bem como financiar campanhas eleitorais, a partir de desvios políticos de diversas empresas estatais e entes da administração direta e indireta”.

Os políticos citados pela PGR como integrantes do grupo são os deputados federais André Moura (PSC-SE), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), Aníbal Gomes (PMDBCE), Altineu Cortês (PMDB-RJ) e Manoel Júnior (exercendo atualmente a vice-prefeitura de João Pessoa, PMDB-PB).

Como funcionava o “grupo criminoso” identificado por Janot na Câmara

Deputados lotam plenário durante cassação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ): preso, ele é considerado pelo MPF um dos líderes do grupo chamado de “PMDB da Câmara”
Um “grupo criminoso”  em plena atividade: assim o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se referiu na denúncia oferecida contra o presidente Michel Temer (PMDB) e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures por corrupção passiva ao “núcleo do PMDB na Câmara”. Segundo ele, trata-se de um grupo “organizado, comandado e articulado por políticos (…), com o escopo de viabilizar enriquecimento ilícito daqueles e de grupos empresariais, bem como financiar campanhas eleitorais, a partir de desvios políticos de diversas empresas estatais e entes da administração direta e indireta”.

Janot descreveu na denúncia como era a atuação de um grupo de políticos do PMDB e de outros partidos na Câmara dos Deputados e no Executivo Federal, alvo de investigação criminal no STF (Supremo Tribunal Federal) sob suspeita de formação de quadrilha.

Conforme avança a Operação Lava Jato e seus desdobramentos, a junção de diversos inquéritos e ações penais com assuntos coincidentes oferece uma perspectiva mais ampla de como funcionavam os esquemas de corrupção envolvendo políticos e grande empresários brasileiros.

No inquérito 4327, aberto para investigar o que a PGR (Procuradoria-Geral da República) chama de “grupo do PMDB na Câmara” e que corre no STF, estão arroladas como suspeitos 15 pessoas, a maioria deputados federais –além do PMDB, a lista traz parlamentares do PSC, do PTB e do PTC.

De acordo com Janot, “vislumbrou-se que os integrantes do chamado ‘PMDB da Câmara dos Deputados’, arrolados nestes autos, atuavam diretamente na indicação política de pessoas para postos importantes da Petrobras e da Caixa Econômica Federal. Além disso, eram responsáveis pela ‘venda’ de requerimentos e emendas parlamentares para beneficiar, ao menos, empreiteiras e banqueiros. Outros parlamentares supostamente envolvidos com o grupo não fazem parte desta investigação, mas já respondem a outras ações e inquéritos relacionados ao esquema”.

Os políticos citados pela PGR como integrantes do grupo são os deputados federais André Moura (PSC-SE), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), Aníbal Gomes (PMDB-CE), Altineu Cortês (PMDB-RJ) e Manoel Júnior (que está licenciado, exercendo a vice-prefeitura de João Pessoa, PMDB-PB). Faria de Sá foi o único deputado que conversou com a reportagem (leia mais abaixo) e afirmou que já prestou depoimento à PF sobre o caso, no final do ano passado, quando a investigação começou.

Os ex-deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ, também ex-presidente da Câmara), Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN, também ex-ministro do Turismo), Alexandre Santos (PMDB-RJ), Carlos Willian (PTC-MG), João Magalhães (PMDB-MG), Nelson Bornier (PMDB-RJ) e Solange Almeida (PMDB-RJ) também são investigados sob suspeita de fazer parte da “quadrilha”.

 

 

 

*Fonte: UOL


Desenvolvido por Ricardo Alexandre