Bem vindo ao Alhandra em Foco, 24 de Agosto de 2017
Facebook do Alhandra em Foco Twitter do Alhandra Alhandra em Foco no Youtube Instagram do Alhandra em Foco Zap do Alhandra
28 jul 2017 às 7:34 am

Passagem de ônibus em João Pessoa pode subir para R$ 3,45, com aumento do preço dos combustíveis

Com o aumento de combustíveis proposto pelo governo federal, o setor de transporte público se viu em uma situação delicada, tendo em vista o agravamento de dívidas, segundo informa o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivos Urbanos de João Pessoa (Sintur/JP). A entidade verificou que o custo operacional, somente no quesito combustível, subirá R$ 4 milhões por ano – considerando o aumento de R$ 0,21 em cada litro de diesel. Mensalmente, os ônibus em João Pessoa consomem cerca de R$ 1,6 milhão de litros de combustível, gerando um custo adicional de R$ 336 mil. Diante desse panorama, o valor da passagem de ônibus poderá subir dos atuais R$ 3,20 para R$ 3,45.
De acordo com o Sintur/JP, neste mês de julho o setor reajustou os salários dos motoristas e cobradores, concedendo um aumento de 6% para a categoria. “Assumimos um ônus de mais de R$ 500 mil mensais com o reajuste salarial, mesmo sem termos tido o aumento de tarifa que precisávamos para cobrir todos os custos. Hoje, a tarefa mínima para nossa operacionalização deveria ser R$ 3,45”, explica o diretor de Relações Institucionais do sindicato, Isaac Júnior Moreira.

A situação do setor de transporte público está delicada em âmbito nacional. A Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), no estudo “Situação econômico-financeira das empresas de transporte público urbano”, realizado entre 23 de março e 12 de maio deste ano, concluiu que 29,1% das empresas de ônibus do Brasil convivem com endividamento superior a 40% do faturamento anual e que 45,3% delas ingressaram em algum programa de recuperação fiscal a partir de 2014.

Em João Pessoa, o último reajuste nas passagens de ônibus aprovado pela prefeitura vigora desde 22 de fevereiro de 2017. O valor é inferior ao aprovado pelo Conselho Municipal de Mobilidade Urbana, que considera todos os custos do setor, como aumento no preço do combustível e gastos com a frota, por exemplo.

Outro levantamento da NTU indica que o setor já vinha convivendo com dificuldades há mais tempo, devido ao recuo da demanda, que teve queda de 42,5% entre 1994 e 2016 por conta do crescimento do transporte individual, principalmente de automóveis e motocicletas. Além disso, outro fator que contribui para a crise é o crescimento do transporte clandestino de passageiros, que viola a Lei Complementar Municipal 44/2007.

Portal Correio


Desenvolvido por Ricardo Alexandre