Presidente da CUT-PB detalha prejuízos para o trabalhador com a aprovação da reforma da Previdência

22 nov 2019

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC 06/2019) de reforma da Previdência de Jair Bolsonaro (PSL) pode mudar drasticamente os planos dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. Para a grande maioria, os que começam a trabalhar mais cedo, ganham menos e ficam grandes períodos sem carteira assinada é pior ainda. Para esses, a reforma representa o fim do sonho da aposentadoria. Quem pensa assim é o presidente da Central Única dos Trabalhadores na Paraíba (CUT-PB), Paulo Marcelo de Lima, que revela que a proposta não trouxe em se nenhum beneficio para os trabalhadores.

De acordo com Paulo, a proposta pode aumentar a má distribuição de renda no Brasil. “Com certeza, a pobreza irá aumentar com essa reforma da Previdência. É isso que a gente entende nesse momento. Para muita gente a reforma foi interessante, agora para nós a massa trabalhadora, para aquele que está lá no chão do trabalho, no chão da fábrica e da obra, não. O trabalhador vai ser bastante penalizado”, constata.

O presidente da CUT-PB detalha que, na verdade, a partir de agora, todos os trabalhadores e principalmente as suas representações devem se debruçar sobre a reforma para entender o que é que diz o texto.

“É preciso que a gente detalhe todos os pontos da reforma da Previdência. Você tem que ir para o miolo da reforma e saber como vai ficar agora quem se acidenta, quem fica doente, quem precisa recorrer ao sistema previdenciário. Quem, por exemplo, perde a capacidade, ou parte da capacidade laboral, como é que vai ficar isso, detalhadamente. A gente tem que dizer isso para as pessoas e o movimento sindical está se preparando para isso. Nós temos muitos especialistas, inclusive no sistema previdenciário, que já foram convidados para conversar conosco, a partir do momento que a reforma entre em vigor”, finalizou.