Vereadores mudam voto e recuam de CPI para investigar o secretário de Infraestrutura de Pedras de Fogo

13 dez 2019

Estranhamente, após uma semana de terem assinado e aprovado uma CPI, os vereadores Gel Bulhões, Jurandir de Danda e Fabiano Silva voltaram atrás e rejeitaram o requerimento apresentado pela bancada de oposição na Câmara de Pedras de Fogo propondo a instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar supostas irregularidades em ressarcimento ao secretário municipal de Infraestrutura, Lucas Romão, sobrinho do prefeito.

A posição dos vereadores causou estranheza perante a população de Pedras De Fogo. Os vereadores citados chegaram a prestar boletim de ocorrência em desfavor de um aliado do Prefeito que os acusou em rede social de estarem votando matérias em busca de interesses pessoais.

Os parlamentares teriam recuado da instalação da CPI após longas conversas com o prefeito Dedé Romão (PSB), que há 06 meses sequer atendia telefonemas dos vereadores. Ou seja, a assinatura na CPI que quase existiu, abriu as portas da Prefeitura para os parlamentares que estavam escanteados pela gestão.

Entenda o caso

A Câmara de Vereadores de Pedras de Fogo aprovou, na sexta-feira (6), requerimento dos vereadores Leleo do Alternativo, Zé De Duda , Jailson Do Casadinho e Nelson Da Una, solicitando a instalação de uma CPI, para investigar supostas irregularidades em ressarcimento ao secretário municipal de Infraestrutura, Lucas Romão.

Votaram a favor da instalação da CPI os vereadores Leleo do Alternativo, Nelson de Una, Zé de Duda, e mesmo sendo da base do prefeito, os vereadores Gel Bulhões, Jurandir de Danda e Fabiano Silva foram favoráveis a investigação. Foram contrários à Comissão Parlamentar de Inquérito os vereadores Zeca Empeleteiro, Wilson Coelho e Itamar Monteiro.

Segundo denúncia dos vereadores, com base no Sagres, o secretário teria comprado balanços xalingo para serem colocados no parque ecológico Padre Silvio Milanez por R$ 2.360,42, conforme o empenho nº 0002858 de 23/08/2019. Segundo os vereadores, o valor teria sido pago pelo secretário, que depois foi ressarcido pelo pagamento.

Lucas Romão é sobrinho do atual prefeito de Pedras de Fogo, Dedé Romão, e deve ser o candidato do grupo na disputa pela Prefeitura nas eleições municipais de 2020.

Portal do Litoral